Durante os anos 2014 e 2017, estudei Engenharia Agronómica na Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

Escolhi esta área pouco tempo antes de ingressar no curso. Acabei por o fazer visto que desde sempre tenho um interesse especial por plantas e animais, e porque acredito ser uma área em expansão, cheia de novos desafios e acima de tudo, de extrema importância!

Como as minhas aulas decorriam num Pólo Universitário muito próximo da minha zona natal, não tive de sair de casa dos meus pais durante estes anos, o que acabou por facilitar algumas questões práticas e me ajudou no processo de adaptação a esta nova fase.

Tal como em todos os períodos da minha vida escolar, optei por contar aos meus colegas o meu problema de saúde, défice de OCT. Sempre senti o apoio e compreensão deles, acabando por ser mais fácil ultrapassar qualquer adversidade que a doença me pudesse trazer ao longo do percurso.

As refeições sempre foram excelentes momentos de convívio! Sempre comi com os meus colegas, onde quer que eles comessem, na cantina, ou comida que traziam de casa. Hoje é bastante fácil fazê-lo visto que a grande maioria das cantinas universitárias tem várias opções de pratos, o que me permitia escolher os acompanhamentos, e muitas vezes tinha também um prato vegetariano.

Sempre participei nos jantares de curso e em todos os momentos de convívio. Apenas o fazia com responsabilidade, sabendo as minhas condições.

Ao longo dos três anos consegui acompanhar bem a matéria. O ano mais difícil foi mesmo o primeiro, onde se concentraram as cadeiras mais gerais e em que o meu ritmo de estudo ainda estava habituado aos anos de secundário. Sempre estudei na faculdade e com colegas, o que acabou também por me ajudar a ter mais acompanhamento e motivação.

Estes foram três anos fantásticos, onde me senti muito bem integrada, e nunca deixei que a minha condição me impedisse de viver ao máximo esta experiência!

Se estás em idade de seguir para o ensino superior: não tenhas medo deste novo desafio! Segue aquilo que gostas, e diverte-te, são anos e experiências que não se repetem!