Entre os dias 22 e 24 de março deste ano, tive a possibilidade de conhecer a cidade de Praga, República Checa, localizada no coração do Continente Europeu. Viajei com duas amigas para visitar e aprender um pouco mais sobre a cultura deste país.

Parti de Lisboa, de avião, e, apesar de algum atraso, tudo correu pelo melhor. Transportei a medicação na bagagem de mão e na de porão, para evitar qualquer inconveniente, mas, felizmente, acabou por não haver problema.

Cheguei na noite de dia 22, pelo que não pude conhecer a cidade nesse dia. Na manhã seguinte, tivemos a oportunidade de nos juntar a uma excursão em espanhol que percorreu a Cidade Velha e o Bairro Judeu. Pudemos admirar as ruas, cheias de edifícios característicos, repletas de história.

No dia seguinte, participámos numa visita que tratava os períodos do nazismo e comunismo aí vividos durante vários anos, e onde conhecemos um verdadeiro “Bunker” dos finais do passado século. Uma história pouco feliz que marcou em grande escala a cultura e personalidade dos locais. Ainda nesse dia, visitámos o Castelo de Praga, considerado o maior do mundo e que demorou vários séculos a ser construído. Sem dúvida, um bonito local que não pode falhar no roteiro!

Todas as refeições foram feitas fora do hostel em que estávamos alojadas, à exceção dos pequenos almoços. Não senti dificuldade em arranjar comida para mim, até por sempre encontrar disponibilidade por parte dos restaurantes em preparar-me apenas os acompanhamentos. Também foi fácil encontrar mini-mercados e lojas onde havia fruta, para comer nos intervalos das refeições. No entanto, se tiveres restrições quanto ao arroz e à batata, aconselho-te a procurar alojamento onde possas usufruir da cozinha, para preparares uma refeição mais composta, com os alimentos hipoproteicos.

Foi uma experiência muito interessante porque, para além da alegria que é viajar com amigos, Praga mostrou-se uma cidade muito acolhedora e rica, em termos de história e cultura.

Quanto à doença metabólica? Essa, uma vez mais, não atrapalhou!

Maria Bravo da Silva Cunha